22 de julho de 2017

Seduce Me 2: Matthew (parte 3)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Seduce Me 2. Espero que gostem! :)
{Nota: Lembre-se que este jogo tem cenas adultas. Você foi avisado!}

???: Há um diabo no castelo. Esse é o único jeito que o Lorde Demônio poderia ter sido capaz de interferir.
???: Vocês!! Guardas na porta! Cacem-no!!
Um par de guardas que estavam aparentemente na porta saudaram àquele os comandando e saíram correndo. Eu me senti fora de lugar, sozinha, aterrorizada pelo que iria acontecer. O Lorde Demônio me queria aqui e suas palavras bateram forte em minha mente. Como eu iria ir para casa? Eu seria capaz de ir para casa?
???: Ei...
Eu olhei para cima para ver a pessoa alada pairando perto de mim antes que se movesse e sentasse em seus joelhos no chão de pedra ao meu lado.
???: Nós mandaremos você para casa, ok? Um... “Diana” apenas precisa de um pouco de descanso, ok?
???: Ela precisa de mais que descanso. Ela precisa usar um feitiço diferente para mandá-la de volta. O Lorde Demônio irá esperar que ela use o feitiço de sombra novamente.
???: Que tal o modo normal? Eu tenho certeza que nós podemos conectar com uma bruxa ou mesmo o feiticeiro que ela usou antes para reabrir o portal para o mundo humano.
???: O feiticeiro que ela usou para ir ao mundo humano morreu, lembra-se? E ele era o mais poderoso feiticeiro no mundo humano, praticamente um deus. Que outro humano poderia ser usado para abrir um portal sem outro humano morrendo?
???: Foi meramente uma sugestão. Quanto mais rápido nós mandarmos esta humana para casa, mais rápido podemos continuar e finalizar o Lorde Demônio.
???: Bem, que nós faremos com a humana agora?
???: Nós podemos dar um quarto para ela descansar. Humanos precisam dormir, afinal. Talvez quando ela acordar, nós pensaremos numa solução!
???: Venha.
A mulher com orelhas de coelho me olhou e abaixou sua mão para mim, convidando-me a pegá-la. Ela tinha uma expressão gentil, mas preocupada em seu rosto, então eu confiei nela. Eu lentamente peguei sua mão e comecei a me levantar enquanto a figura de fada limpava os pequenos pedaços de pó que tinham se acumulado em meu vestido. Eu não podia fazer nada. Eu fui forçada a ouvir os seres ao meu redor porque não havia mais nada que eu podia fazer. Sem eles, eu não poderia ir para casa. Meu coração doeu, mas eu tinha que aceitar minha situação.
???: Aqui. Eu levarei você ao quarto livre do embaixador. Você é livre para descansar lá por enquanto.
-Ok.
Eu fui guiada ao quarto e para o corredor.
-E sobre Diana? {Escolha certa para Diana como treinadora}
A pessoa flutuante riu suavemente enquanto a mulher com orelhas de coelho limpava sua garganta.
???: Ela ficará bem. Ela está... sendo cuidada agora mesmo.
???: Por que não apenas dizer que ela está sendo fu—
???: E o bruto ataca novamente com a falta de elegante filtração entre seu cérebro e sua boca! Você ainda tem que me provar errado sobre minhas esperanças de você.
???: Continue me testando, assassino. Eu não tenho medo de arrancar sua espinha de seu corpo e usá-la como um coçador de costas.
???: Você pode muito bem tentar, bruto.
???: UGHHH! Vocês vão parar?!
???: Venha. Tudo será cuidado.
Antes que eu pudesse protestar, a mulher me guiou para fora do recinto e para o corredor.
Eu mantive meus olhos abaixados, tentando absorver mais da situação em que eu estava. Eu estava presa no mundo demônio e Diana estava fora da comissão. O Lorde Demônio tinha planos para mim, mas o que exatamente ele queria? Eu podia ter sido isca. Eu podia ter sido vingança. Eu não sabia nem podia descobrir agora. Pelo menos, eu estava segura... pelo menos, eu esperava que estivesse segura. A mulher me guiou para um quarto que praticamente gritava fantasia medieval. Tudo estava limpo, mas ainda tinha essa sensação de antiguidade, como se ninguém tivesse colocado os pés no quarto até aquele momento.
???: Descanse aqui por enquanto. Quando “Diana” estiver bem novamente, nós poderemos discutir o que fazer.
Mika: Obrigada.
Eu assenti para a mulher antes dela gentilmente fazer uma mesura e ir embora, fechando a porta atrás de si. Eu tomei um momento para observar meus arredores, interessada em entender a estética. Isso era fantasia tornada realidade. Era como se eu tivesse voltado no tempo. Por quê, no entanto? O mundo demônio realmente estava assim tão atrasado nos tempos, ou magia substituiu tecnologia e esse era o resultado? Apesar da situação em que eu estava, que era além de desolador e terrível, minha curiosidade começou a se espalhar em minha mente, como se eu tivesse recebido uma oportunidade de ouro para aprender algo novo. Entretanto, meus pensamentos começaram a vaguear, e eu me senti ficando fraca e tonta sem dúvida do choque e trauma que eu tinha passado. Eu cambaleei na direção da cama, precisando sentar e deixar tudo acalmar sem desmaiar. Quando meu traseiro atingiu o colchão, entretanto, eu soltei um pequeno suspiro de prazer.
Mika: Caralho, esse é um colchão confortável...
Eu me senti cair para trás e meu corpo inteiro simplesmente derreteu na suavidade abaixo de meu corpo. Era como dormir numa nuvem. Isso era possível? Magia demoníaca pode ter tido algo a ver com isso, mas eu estava certa de que eu estava derivando quase num sono feliz apenas por deitar nos cobertores e colchão. Não importando que eu ainda estava em meu vestido, eu fechei meus olhos e adormeci. Eu precisava descansar, já que Diana não estaria disponível por um tempo, de qualquer forma. Escuridão cercou minha mente, meus sonhos permanecendo silenciosos e quietos na negritude fria e calma. Nenhum pesadelo apareceu e nenhum som foi feito. Eu estava simplesmente descansando e isso era tudo que meu corpo precisava. Eu deixei meus pensamentos vaguearem em meu subconsciente, pensando no que iria acontecer agora. O que os rapazes farão quando perceberem que eu sumi? O que ELE fará? Eu o imaginei encontrando um caminho para o mundo demônio e me puxando de volta para onde eu pertencia, envolvendo-me em seus braços e jurando nunca me soltar. Eu estaria aliviada e nós casaríamos como planejamos. Quão irrealista isso era? Eu tinha que ser realista agora mesmo. Eu estava presa e a única que parecia ser capaz de me mandar de volta era Diana e seus companheiros, quem quer que eles fossem. Eu tinha que confiar neles, quer eu gostasse ou não. Eventualmente, eu levantei de meu sono, de algum modo completamente refrescada e calma. Como isso poderia?
Diana: Você descansou bem?
Eu virei minha cabeça para ver Diana na porta, braços cruzados e inclinando contra a arcada da porta. Ela tinha uma expressão de preocupação e pura curiosidade em seu roto enquanto esperava por minha resposta.
-“Sim.”
Diana: Bom. Um bom descanso é sempre importante, especialmente para humanos.
Mika: E sobre os demônios?
Diana: Nós descansamos também, mas não é sono, como vocês humanos fazem. Nós simplesmente descansamos com nossos olhos abertos.
Mika: Por quê?
Diana: É mais fácil evitar ser morta quando seus olhos estão abertos.
Eu engoli em seco. Demônios realmente eram assim tão paranoicos ou eles eram paranoicos por uma razão?
-“Você não sabe como bater?”
Diana pressionou seus lábios numa fina linha e quase zombou de mim.
Diana: Oh, eu sinto muito. Eu baterei da próxima vez. Você gostaria que eu afofasse seus travesseiros também antes de te mandar de volta ao mundo humano?
Certo. Ela estava me mandando de volta. Por que eu estava sendo grosseira? Eu suspirei.
Mika: Desculpe, eu apenas estou sentindo falta de casa...
Diana suspirou também, esfregando sua têmpora.
Diana: Eu sei. Eu não posso esperar que você esteja completamente calma sobre a situação em que está, especialmente desde que fez nada para merecer isso, do que eu sei.
-“Você está bem?” {Escolha para ter Diana como treinadora}
Diana me encarou, levemente chocada. Ela não esperava que eu perguntasse?
Diana: Huh. Bem, sim, eu estou bem agora que tive um descanso apropriado.
Mika: Isso é bom.
Diana balançou sua cabeça e entrou no quarto, fechando a porta atrás dela.
Diana: Então, nós precisamos encontrar outro modo de mandar você de volta ao mundo humano. Não será fácil, mas eu acredito que isso pode ser feito esta noite no mais tardar.
Mika: Esta noite? Sério?
Diana assentiu e cruzou seus braços novamente, inclinando num quadril.
Diana: Vai levar tempo para que nossos agentes de sombra reúnam os suprimentos necessários, mas eles não são difíceis de se obter dado que nós estamos numa posição de poder. Você deve ser sortuda.
Mika: O que você quer dizer?
Diana suspirou antes de lançar um curto feitiço sob sua respiração. Na minha frente apareceu um mapa flutuante, quase como um holograma. Ele mostrava um mundo inteiro com montanhas, planícies e florestas, e tudo era cercado por mar e água. Diana apontou para um marcador que tinha uma bandeira roxa em seu topo. Estava marcado no centro de alguma área de montanha e floresta. Também estava no centro do mapa.
Diana: Aqui é onde nós estamos atualmente, o centro das Planícies Abissais.
Diana então correu seu dedo num círculo ao redor do marcador, mostrando um perímetro ao redor dele.
Diana: Tudo que nós precisamos para o feitiço está dentro desta área. Apenas levará tempo para reunir os materiais e prepará-lo.
Eu assenti, entendendo a situação. Eu iria esperançosamente ser capaz de ir para casa esta noite, o que era melhor que não ir para casa de jeito nenhum.
Mika: Então, o que eu deveria fazer até lá?
Diana: Minha sugestão? Fique neste quarto. Eu posso marcar este quarto como zona proibida para que nenhum demônio possa entrar que iria confundir você com um intruso e lhe mantar.
Eu engoli em seco. Eu não queria morrer. Quando Diana fez o mapa mágico desaparecer, ela deu de ombros.
Diana: Entretanto, eu não posso lhe parar de qualquer coisa que deseje fazer. Apenas não saia do castelo.
Eu assenti enquanto ela virava para sair. Quando ela pisou do lado de fora, Diana olhou de volta para mim com uma expressão tranquilizadora.
Diana: Nós mandaremos você de volta ao mundo humano. Eu te prometo isso.
Finalmente, ela me deixou sozinha no quarto. Eu soltei um pequeno suspiro e olhei para o teto. Eu tinha que esperar até hoje à noite para realmente fazer alguma coisa. O que eu iria fazer? Parte de mim concordou com a sugestão de Diana, querendo ficar no quarto e estar segura no caso que os guardas não sabiam quem eu era e me matariam assim que me vissem. Minha curiosidade, entretanto, não iria me deixar em paz e queria que eu explorasse o castelo. Eu tinha recebido uma oportunidade de explorar o castelo no mundo demônio, e parte de mim não queria desperdiçar. Eu estava indecisa no que fazer.
-Ficar no quarto.
-Explorar.
Não havia chance que eu iria deixar essa chance me passar. Eu levantei e andei na direção da porta, abrindo-a uma fresta e olhando ao redor. Não havia ninguém no corredor, mas haviam duas direções para ir.
Mika: Para qual lado...?
-Direita.
-Esquerda.
Eu fui com a esquerda. Eu fechei a porta atrás de mim enquanto saía de meu quarto e comecei a fazer meu caminho pelo corredor esquerdo. Tudo era definitivamente estilo medieval e eu me senti um pouco pequena no corredor. Era como se eu estivesse num conto de fadas, andando ao redor num vestido de casamento. Quase pareceu um sonho. A passagem parecia longa, decorada com velas de parede, pinturas, e aleatórias cortinas e flores. Era místico para ver e eu sorri. Quando eu me aproximei de outra bifurcação no corredor, entretanto, eu suspirei.
Mika: Sério? Como alguém sabe para onde está indo?
Eu olhei para trás, sabendo que não tinha andado para longe de meu quarto. Eu poderia voltar... Porém...
-Voltar ao quarto.
-Direita.
-Esquerda.
Eu estava indo para a esquerda, de qualquer forma. Melhor fazer outra esquerda. Eu virei à esquerda mais uma vez e desci o corredor, cumprimentada por mais decoração fantástica. O som de uma batalha aquecida pegou minha atenção. Eu rapidamente corri para ver uma porta, mal aberta uma fresta, e atrás dela ecoava o som de espadas se atingindo.
Diana: HAAAAAAAAAA!!
Eu espiei para ver Diana e o guarda que estava com ela antes numa intensa luta de espadas. Agora que eu podia ver mais de perto, o homem era extremamente lindo e parecia humano, porém, eu podia sentir que ele era muito um demônio apenas por sua presença. O homem tinha a vantagem, mas era fácil dizer que ele estava se segurando levemente ao deixar Diana balançar sua espada de novo e de novo a ele antes de atacá-la e forçá-la a se defender. O olhar no rosto de Diana mostrava pura concentração e quase raiva enquanto sua espada batia com a dele. Eu nunca tinha visto Diana assim tão intensa antes, então ver estresse e determinação em sua expressão foi uma surpresa. Por que ela estava lutando com uma espada, no entanto? Ela tinha magia demoníaca.
Diana: Você está se segurando! Basta!
Diana recuou do homem, trazendo sua espada ao seu lado enquanto o homem fazia o mesmo em perfeita sincronia. Ela rosnou antes de jogar a arma a ele, e ele a pegou pelo punho com facilidade.
Diana: Eu lhe disse para não se segurar. Você não me ouviu?
O homem encarou Diana antes de gentilmente juntar as espadas e fazê-las desaparecerem numa suave névoa negra. Ele começou a andar na direção dela enquanto ela se virava e cruzava seus braços.
Diana: Você não pode me tratar como se estivesse treinando uma criança, Saero. Eu preciso estar pronta para qualquer coisa que o Lorde Demônio jogue em meu caminho e você se segurando é apenas um incômodo para mim.
Saero: Eu peço desculpas, minha dama.
Diana: Palavras vazias.
Entendi. Eles estavam treinando. Esse homem era seu treinador e ela estava sendo tratada como uma novata. Por quê? Além disso, ele se desculpou. Por que ela estava sendo tão severa sobre isso? Talvez fosse um erro? Diana soltou um suspiro e andou para a varanda do recinto, colocando suas mãos no corrimão e inclinando sobre seus braços.
Diana: Enquanto cada dia passa, meu reino, meu exército e eu estamos em constante risco. Se eu não posso me defender quando minha energia acabar, então como eu defenderei esse reino?
Saero: Você será vitoriosa.
Diana: Eu serei massacrada por causa de sua inabilidade de me treinar adequadamente.
Saero: Você sabe por que eu não posso e ainda assim demanda isso de mim. Eu não posso me forçar a mesmo potencialmente lhe machucar.
Diana: E isso irá levar à minha morte.
O quê? O que Saero estava falando? Por que ele não podia treiná-la adequadamente? Por que ela estava tão irritada sobre isso? Ela não podia apenas pegar outro treinador?
Saero: Você não morrerá, minha dama. Eu lhe prometo isto.
Diana: Eu não posso confiar em ninguém que diz isso para mim.
Saero: Mas você sabe que é verdade. Eu irei repetir minha promessa de novo e de novo até você aceitar.
Diana: Essa promessa sai de uma mentira.
Eu observei enquanto Saero andava para Diana e gentilmente envolvia seus braços ao redor dela por trás. Ela não resistiu, mas não se inclinou ao abraço também.
Saero: Meu amor por você não é uma mentira, Ezaeur.
Diana: Você não tem permissão para usar meu nome.
Saero: Você está evitando o assunto. Meus sentimentos por você são reais.
Diana: Seus sentimentos são falsos.
Saero: Eles são tão puros e verdadeiros quanto seu coração de ouro.
Eu não podia acreditar no que eu estava vendo. Diana tinha um ADMIRADOR? Quando isso se tornou uma coisa? Quem mesmo era esse cara para ela? Por que ela estava tão contra ele e seu amor?
Saero: Você derrotará o Lorde Demônio e trará liberdade às Planícies Abissais. Você ascenderá e se tornará a nova rainha e soberana da terra, e eu ficarei ao seu lado para todo o sempre porque eu te amo.
Diana: ...
Saero: Negue meu amor tudo que pode. Eu servi você e sua família por minha vida inteira. Eu nunca poderia mentir ou machucar você. Se você verdadeiramente não pode me amar de volta, então eu permanecerei como seu humilde protetor e servo até o fim de meus dias.
Diana: Você desperdiça sua vida em mim.
Saero: Não é um desperdício servir e proteger a mulher que amo com minha vida.
Diana: Você desperdiça seu “amor” em mim.
Saero: Não é um desperdício amar uma mulher tão maravilhosa.
Eu não sabia o que fazer disso. Saero realmente parecia dedicado a Diana, porém ela estava colocando algum tipo de parede emocional entre eles que ele não podia atravessar. Era triste de assistir, porém da postura que Diana tinha, eu podia dizer que ela sentia que suas ações eram justificadas. Talvez ela estivesse tentando protegê-lo dela. Talvez ela não queria machucá-lo. Eu tinha visto em primeira mão o que ela poderia fazer se você tivesse algo que ela precisava. Isso deve ser como ela agia quando alguma coisa precisava dela.
Diana gentilmente suspirou. Para surpresa minha e dele, Diana virou seu corpo levemente para Saero em seus braços e correu sua mão pelo peito de Saero, fazendo a parte de cima de seu uniforme desaparecer em névoa roxa e deixando seu peito nu. O que Diana estava fazendo??
Diana: Eu preciso de energia.
Saero: De mim, ou você quer que eu—
Diana: Apenas me dê sua energia. Eu não tenho tempo para esperar que você me dê uma Flor Doce.
Saero assentiu antes de gentilmente virar Diana completamente para ele em seus braços e beijá-la. Por alguma razão, pode ter parecido um beijo normal, mas eu podia sentir o amor e paixão que correu por ele. Era quase mágico de assistir. Uma coisa era certa, entretanto: ele realmente a amava. O modo que ele a segurava pintava seus sentimentos como uma imagem, tão abertamente gentil e amável. Ela o amava, no entanto? Ela simplesmente tinha uma mão segurando um de seus braços enquanto a outra descansava contra as costas de Saero. Os sentimentos de Diana eram um enigma. Eu rapidamente peguei aquele momento para ir embora, não querendo atrapalhá-los e não querendo ver seu momento ir nada além daquele beijo. Eu permaneci em meu quarto até a noite chegar. Eu recebi comida que... parecia sopa? A mulher que me deu se desculpou, deixando-me saber que a comida estava escarça até a colheita, que iria demorar um par de dias. Dado que eu apenas iria ficar pelo dia, eu não me importei. Eu estava mais preocupada com o que recebi para comer. Era algum tipo de guisado com misteriosos pedaços nadando em seu caldo. Ele cheirava surpreendentemente bom, mas quem sabia como era o gosto.
-Apenas coma.
Eu engoli em seco. Eu tinha que provar. Eu tinha que comer. Eu não tinha comido em dois dias, mesmo antes de vir ao mundo demônio. Eu estava bem certa que Diana não iria me envenenar agora e eu estava bem certa que ela não iria me servir nada nojento. Eu levantei a colher que estava sentando no caldo, deixando-a capturar um pouco do guisado enquanto levantava. Eu quero dizer... não era terrivelmente assustador de olhar. Eu engoli em seco e lentamente trouxe a colher aos meus lábios, sentindo o calor emanar do guisado.
-Não coma.
Não. Sem chance. De jeito nenhum. Eu não estava no clima de provar coisas novas depois do que tinha passado, e isso não era algo que eu queria provar.
Uma batida atingiu minha porta, quebrando-me de meu trem de pensamentos.
Mika: Huh? Entre!
A porta abriu para revelar Diana com um prato segurando coisas que eu reconheci: pão e queijo. Eu soltei um pesado suspiro de alívio antes de Diana rir.
Diana: Eu sugiro não provar isso. Tão bom que cheire, o sabor não ficaria bem com você.
Instantaneamente, eu movi a tigela para a mesa próxima, grata que eu não tinha que tentar. Diana me entregou o prato e assentiu, me tranquilizando que o que estava nele era realmente o que tinha parecido.
Diana: Não é muito, mas é comida humana. Coma.
Mika: Eu irei!
Eu comecei a mastigar, sentindo a fome em meu estômago dissipar com cada mordida e engolida. A comida que eu estava comendo, surpreendentemente, era deliciosa. Quando eu comecei a desejar algo para beber, Diana riu e formou um pequeno cálice em sua mão, cheia com líquido claro que eu assumi ser água. Eu peguei e bebi, sentindo minha sede extinta antes de soltar um suspiro.
Mika: Ahhh... Eu me sinto muito melhor...
Diana: Eu posso dizer. Tome um momento para terminar de comer, então nós iremos para o ritual.
Eu olhei para Diana, repentinamente empolgada. Tudo estava preparado? Era possível ir para casa agora? Como se ela lesse minha mente, ela sorriu e assentiu.
Diana: Nós terminamos as preparações principais. Nós apenas precisamos ir até lá e começaremos.
Eu não pude continuar comendo. Minha mente partiu num frenesi obsessivo de querer ir para casa. Eu me levantei, movendo o prato e a taça para a mesa próxima.
Mika: Vamos.
Diana: Huh? Você tem certeza?
Eu assenti, não querendo desperdiçar mais tempo. Eu precisava ir para casa e estava cansada de esperar. Diana encarou antes de assentir e ir para a porta, abrindo-a para mim e saindo depois de mim. Quando ela fechou a porta atrás dela, eu comecei a sentir meu coração palpitar em alegria aliviada. Eu estava indo para casa. Diana me guiou pelos corredores para a sala de guerra, onde eu tinha originalmente chegado, para revelar a mesa coberta em plantas e artefatos de diferentes tipos. Nada daquilo fez sentido para mim, mas eu tinha apenas que assumir que era o que era necessário para o feitiço funcionar. Diana andou para a mesa e tomou nota do que viu, assentindo.
Diana: Isso deve funcionar.
???: Você está em dúvida?
Diana: Tenho que estar depois da última vez que tentamos mandá-la para casa. Nós temos uma âncora humana?
???: Não... Você está por si mesma desta vez, mas nós nos certificaremos que você sobreviva de lançá-lo.
???: Esse feitiço deve funcionar, entretanto, porque nós estaremos usando material de energia. Apenas irá exigir uma fatia de sua energia acima destes itens, a qual seu guarda pode recarregar imediatamente depois disso.
???: Apenas tenha certeza de não morrer o lançando?
Diana sorriu para seu guarda antes de virar para mim.
Diana: Então, você está pronta para retornar para casa?
Ela não tinha que perguntar.
Mika: Eu estou pronta.
Diana assentiu mais uma vez antes de se virar de volta à mesa. Ela levantou seus braços sobre a superfície e abaixou sua cabeça, murmurando sob sua respiração.
Diana: O Tenebris portas aperiat nobis largiatur exitum desiderium...
Enquanto ela falava, a mesa começou a brilhar junto com ela. Uma aura roxa escura começou a cercar sua forma enquanto ela levantava e arqueava sua cabeça para trás, encarando o teto. Uma espiada em seus olhos me fez arfar. Orbes dourados e quentes cobriram suas írises vermelhas-sangue, brilhando com magia. Ela estava fundo dentro do feitiço e eu podia ver ele lentamente drenar energia de seu corpo. Os itens na mesa começaram a brilhar loucamente, orbes de luz flutuando deles e dançando no ar acima da superfície da mesa. Eles começaram a tecer para lá e para cá um com o outro, quase como se as luzes estivessem dançando a um tom silencioso. Os outros demônios recuaram quando Diana moveu seus braços para cima e apontou para as luzes dançantes. Seu dedo apontou no ar, guiando as luzes para seguir onde ele direcionava obedientemente. Ela desenhou um grande círculo no ar e as luzes seguiram como uma trilha perfeita, se espalhando e formando um grande vácuo no ar. Quando finalmente pararam de se mover, elas explodiram numa forte luz, fazendo os demônios e eu cobrirem nossos olhos dela. Ela engoliu o recinto, mas sumiu igualmente rápido, revelando um pequeno rasgo no ar. Diana rapidamente se inclinou para frente e afundou suas mãos nele antes de abrir o rasgo, revelando...
Mika: Meu quarto...!
Diana continuou a abrir o rasgo, dando espaço suficiente para eu pular por ele.
Diana: Apresse-se e atravesse!! Essa é sua chance!!
Eu não iria desperdiçá-la. Eu agarrei a barra de meu vestido e corri para frente, usando o momento para pular no ar e para frente na direção do vácuo. Eu quase pude alcançar. Eu podia sentir o ar condicionado de meu quarto bem na ponta de meus dedos. Eu estava...
Lorde Demônio: ELA NUNCA SAIRÁ DESTE MUNDO VIVA!!
A voz do Lorde Demônio badalou pelo ar bem quando eu vi a ponta de meus dedos passarem pelo rasgo. O que parou o resto de meu corpo foi uma luz vermelha e força, forçando Diana e eu recuarmos da abertura.
Mika: GAHH!!!
Diana: GRAHH!!
Eu senti meu corpo voar para trás e bater numa parede antes de aterrissar no chão de pedra. Eu ouvi Diana também aterrissar ao meu lado com uma batida dolorosa. Eu olhei para cima e senti meu coração quebrar quando o rasgo foi envolto em relâmpago vermelho, fechando-se e desaparecendo no ar. Não... Não, isso não podia ser...
???: MERDA!!
???: Isso deveria ter funcionado!! Como pôde ter falhado?!
???: Nós devemos ter errado alguma coisa! Havia alguma coisa que nós tínhamos esquecido??
???: Não! Eu mesmo verifiquei tudo!
???: Então por que o Lorde Demônio foi capaz de dominar um FEITIÇO DE PORTÃO?!
???: Eu altamente duvido que você saiba também, BRUTO!
???: PAREM DE BRIGAR!! Nós precisamos fazer um plano e todos vocês estão apenas sendo ESTÚPIDOS!! ESTÚPIDOS ESTÚPIDOS ESTÚPIDOS ESTÚPIDOS!!
Saero: Você está bem, Ezaeur?
Diana: E-Eu estou bem... Está...
Eu estava perdida demais em minha mente para completamente entender o que estava acontecendo ao meu redor. Eu estava tão perto. Eu senti o outro lado. Eu tinha quase ido para casa. Por que eu não podia ir para casa?! O grunhido de dor de Diana ao meu lado me fez virar minha cabeça em sua direção, e eu observei ela lentamente se levantar do chão e encarar a mesa.
Diana: O Lorde Demônio deve ter feito alguma coisa mais que simplesmente trazê-la aqui...
Saero: O que ele poderia ter feito?
???: O Lorde Demônio é incapaz de fazer qualquer coisa do tipo. Seus diabos lacaios devem ter feito algo com ela.
???: Um feitiço?
???: Uma maldição...
Eu olhei para a mulher coelho, vendo-a me encarar de olhos arregalados. Os outros demônios me encararam também e de repente eu senti que estava em exibição. Alguma coisa estava errada comigo?
???: “Ela não sairá do mundo demônio viva”. Ele deve ter colocado algum tipo de maldição nela para preveni-la de sair deste plano. Para ir embora, ela teria que... morrer.
O quê? Minha mente ficou em branco. O Lorde Demônio realmente me amaldiçoou? Eu estava forçada a ficar neste mundo até morrer? Eu nunca poderia voltar?
???: Você está sugerindo... uma maldição de barreira?
Saero: Isso explicaria a energia vermelha que selou o rasgo...
Diana: Mas... magia negra assim exige—
???: O sangue de mil demônios... Ele deve ter sacrificado parte de seu exército para lançar uma maldição nela que iria preveni-la de ir embora.
Saero: O Lorde Demônio está assim tão desesperado por ela...
???: O único jeito de quebrar esse tipo de maldição é matar o lançador: o próprio Lorde Demônio...
???: Ela está presa aqui até esta guerra acabar.
Meu corpo começou a tremer violentamente. O Lorde Demônio matou mil demônios... apenas para me prender aqui... Por quê?! POR QUÊ?! Eu bati meus punhos no chão e comecei a gritar.
Mika: EU QUERO IR PARA CASA!!! POR QUÊ?!?!?!
Eu podia sentir a simpatia e raiva no recinto, mas eu não me importava. Eu estava além de lívida. Eu estava muito além de quebrada. Eu estava vendo vermelho.
Mika: AAAAAAAAAAAAHHHHHHHHH!!!!!
Quando minha voz rasgou o ar, uma luz forte explodiu pelo recinto mais uma vez. Todos cobriram seus olhos, mas Diana rapidamente se mexeu para ficar de joelhos e me cobrir com seu corpo. Ela me segurou fortemente enquanto a luz invadia o espaço e lentamente começava a desaparecer. Quando a luz finalmente morreu, todos moveram suas mãos para ver o que tinha acontecido. No ar estava um rasgo branco que estava lentamente se abrindo, encarando a mesa. Alguma coisa estava vindo; eu podia sentir isso no ar. O guarda invocou sua lança e apontou-a ao rasgo, encarando-o e rangendo seus dentes.
Saero: Alguma coisa está vindo!
Em resposta, Diana invocou o que parecia um sabre e o colocou à nossa frente.
Diana: Preparem-se! Pode ser o Lorde Demônio!
Os outros demônios no recinto se prepararam e encararam o rasgo, segurando uma arma ou preparando um feitiço. Eu senti o ar mudar, ficando mais pesado quando o rasgo começou a crescer. A energia ao redor dele começou a pulsar, deixando todos no recinto muito mais tensos. Eu encarei o rasgo também, apavorada do que estava vindo. Era o Lorde Demônio? Seus subordinados? Minha mente começou a circular por ideias assustadoras do que estava prestes a aparecer. Meu coração quase parou. Caindo do rasgo e aterrissando na mesa estavam os cinco irmãos íncubos. Eles estavam pilhados um em cima do outro, tendo atravessado um de cada vez. Entretanto, quando o último irmão aterrissou, os rapazes caíram para um lado, tombando para fora da mesa e aterrissando no chão. Os rebeldes ao meu redor encararam a caída pilha de íncubos, confusos e surpresos. Quando o rasgo no ar fechou, o homem-ogro foi o primeiro para abaixar sua espada.
???: Q-Que diabos?!
???: Quem são eles?!
???: Cuidado! Eles podem ser os homens do Lorde Demônio!
Mika: Não!!
Os rebeldes me olharam quando eu levantei – Diana seguindo e ainda me protegendo – e eu encarei os rapazes no chão. Todos eles pareciam tontos e um pouco chocados por terem caído duas vezes em rápida sucessão. Eu quase não podia acreditar. Lá estavam eles, bem na minha frente. Minha mente não podia evitar lembrar como eu tinha os encontrado; todos eles tinham estado no chão de minha mansão, inconscientes e machucados. Agora, eles estavam na minha frente no mundo demônio.
Mika: Eu os conheço...
Eu encarei aquele que estava destinada a casar, vendo-o lentamente balançar sua cabeça e levantar do chão. Eles vieram me resgatar. ELE veio me resgatar. Meu coração ficou radiante e cheio de calor e felicidade. Eu iria para casa. A questão era... COMO?
Esse é o fim da parte 3. Até a próxima! :)

Um comentário:

  1. Omg, e o próximo? o-o Uhmmm energia ¬w¬ Tô vendo essa relação ai da Diana e o ??? meio élfico

    ResponderExcluir