26 de julho de 2017

[SWD] Wizardess Heart: Cerim (capítulo 9)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Wizardess Heart. Espero que gostem! :)

(Série Princesa de Cristal) Cerim – Dia 9: Como Companheiros
Aquele sonho novamente...!
Saella: Pare... por favor... Pare com isso...
Liz: *Arfa*
Eu me sento rápido e limpo o suor de minha testa.
Liz: Que... sonho terrível...
(Saella... ela estava chorando...)
O relógio não me acordou.
Liz: Eu já estou acordada... O que eu deveria fazer...?
(Eu não acho que consigo voltar a dormir.)
Liz: Oh, eu sei...
Uma ideia apareceu em minha cabeça.
Liz: Eu posso usar a cozinha aqui... A governanta já está provavelmente acordada. Eu estou feliz que fui deixada entrar na cozinha.
Eu apertei as cordas em meu avental e me empolguei.
Liz: Será divertido tentar cozinhar depois de tanto tempo...!
(Eu me pergunto se Cerim gosta de minha culinária...?)
Liz: *Risadinha* Esses certamente ficaram bons.
Guy: Ei, Liz!
Liz: Oh, bom dia, Guy.
Guy: Onde está seu namorado?
Liz: E-Ele não é meu namorado!
Guy: Sério? Vocês ainda não estão saindo?
Liz: C-Cale-se...!
Guy: Você não estava indo atrás dele?
Liz: Bem, sim, mas... ele é superdenso quando se trata de namoros, então...
Guy: Certo. Sim, isso vai levar tempo.
Liz: Eu sei...
Guy: Vai jogar a toalha?
Liz: Qu... Eu não vou desistir! Eu ainda não disse a ele como me sinto... E se pistas não funcionam, eu tenho que dizer a ele como me sinto diretamente!
Guy: Você realmente é durona.
Liz: Sério?
Guy: Eu queria ser tão honesto sobre meus sentimentos.
Liz: Huh?! Espere... Guy, há alguém que você gosta?!
Guy: Oh, sim.
Liz: S-Sem chance! Quem é ela?! Uma garota na sua sala?
Guy: Ela está numa sala diferente.
Liz: Qual delas?!
Guy: Cale-se.
Guy deu um peteleco em minha testa.
Guy: Eu não direi a você.
Liz: Ei! Isso não é justo!
Guy: Quem se importa com minha vida amorosa?
Liz: Eu me importo!
Guy: Vamos, nós vamos nos atrasar!
Liz: E-Espere! Guy! Huh...?
Quando eu chego na sala de aula, eu percebi que Cerim não estava lá.
(Ele não está aqui...? A aula está prestes a começar...)
Então, Elias passou por mim.
Liz: Oh! Elias!
Elias: Hm...? O que é, Senhorita Hart?
Liz: Ei, você viu Cerim?
Elias: Não... Eu não vi.
Liz: Oh...
Elias: Algum problema?
Liz: Bem... ele ainda não está aqui, e as lições estão prestes a começar...
Elias: Eu não o vi desde a manhã... Talvez ele não esteja vindo hoje?
Liz: Talvez...
A imagem de Cerim ontem correu por minha mente, fazendo-me preocupar.
(Se ele for atacado por aqueles fantasmas novamente... Talvez eu deva ir procurar por ele...? Sim, eu tenho que ir procurar por ele...!)
Com isso em mente, eu saí da sala de aula.
Liz: Onde ele foi...?
Randolph: Onde você pode estar indo? A lição está prestes a começar, sabe.
Liz: Diretor Randolph...!
Randolph: Você vai cabular aula?
Liz: N-Não...
Randolph: Bem, de volta para a sala de aula.
Liz: Sim, senhor...
(Ele pode aparecer durante o segundo período... Eu voltarei e esperarei um pouco.)
Randolph: Vamos começar a aula. A lição de hoje é sobre história.
Liz: Gah...
(Eu sou ruim em história...)
Randolph: Nós estaremos lendo a história de Gedonelune. Agora, eu acredito que todos conhecem a história do Dragão do Tempo... ...mas hoje, nós estaremos estudando sobre como esse país cresceu e se desenvolveu. Agora, uma rápida revisão primeiro, Liz.
Liz: S-Sim...!
Randolph: Pergunta Um. O dragão que guiou o Primeiro Rei para a terra despreparada foi o Dragão do...?
Liz: O Dragão do Tempo.
Randolph: Correto. Que impressionante. Agora, pergunta Dois. Em que torre o Primeiro Rei colocou o Dragão do Tempo?
Liz: A Torre do Sofrimento.
Randolph: Exatamente isso, bom trabalho.
Liz: Ufa.
Randolph: Agora, a última pergunta. Quantos magos protegem a torre?
Liz: Três!
Randolph: Correto. Eu vejo que você memorizou. Bem feito, Liz. Você pode se sentar.
Liz: Certo...
Randolph: Depois que o Dragão do Tempo guiou o Primeiro Rei para esta terra e foi petrificado, essa escola foi estabelecida. Uma vez que essa escola foi estabelecida, o país se desenvolveu com alarmante velocidade. A maioria da terra de Gedonelune está ocupada por profundas florestas. Muitas criaturas e animais mágicos vivem na floresta, alardeando únicas evoluções. Isso é também devido ao solo especial deste país. Do solo de Gedonelune vem ilimitada energia mágica. Você pode dizer que isso é devido às fadas que gerenciam a energia. Normalmente, poder mágico no chão tem seus limites. Num esforço para prever sua magia de secar, outros países desenvolveram suas terras em modos que não dependem em magia. Por causa disso, o desenvolvimento deles levou tempo. Esse, você pode dizer, é o motivo que o desenvolvimento de Gedonelune foi surpreendentemente rápido. Embora Gedonelune seja pequeno, ele se tornou um dos países mais fortes do mundo. Isso é devido a nada exceto os feiticeiros deste país. Os feiticeiros que se graduaram desta escola criaram a cidade ao lado dela. Graças a todos esses feiticeiros, a cidade tem se desenvolvido significantemente desde então... Eventualmente, até mesmo aqueles sem magia começaram a residir. A coexistência de feiticeiros e leigos a fizeram uma cidade maravilhosa. Gedonelune é um país rico. Entretanto, também é um país perigoso. E protegê-la é o papel dos feiticeiros que criamos aqui. Eu gostaria que todos vocês aprendessem não apenas magia, mas também como se tornarem decentes feiticeiros.
(Decentes feiticeiros...)
Randolph: Agora, nosso próximo tópico... E isso nos leva ao fim de nossa lição.
O sino tocou, e todos saíram de seus assentos.
Liz: Cerim... não está vindo.
Randolph: Liz.
Liz: Diretor...!
Randolph: Parece que Cerim não estava na sala. Ausência desaprovada.
Liz: Ele está sob ataque novamente?!
Randolph: Não, eu não posso imaginar isso acontecendo. Os fantasmas não devem aparecer por um tempo, não depois de você tê-los banido daquele jeito.
Liz: Então...
Randolph: Hmm... Eu apenas posso pensar em uma coisa.
Liz: Ele pode estar na... caverna...?
Randolph: Ele sente profunda responsabilidade. Ele provavelmente não consegue pensar em mais nada.
Liz: Cerim...
Randolph: Companheiros estão sempre juntos, não importa o quê. Você entende minha intenção?
Liz: S-Sim...! Eu irei encontrá-lo!
Randolph: Bem-dito. Eu lhe darei minha permissão.
Liz: Sério...?!
Randolph: Eu irei, então faça seu melhor.
Liz: Muito obrigada!
Quando eu cheguei na Caverna da Cantora, Cerim estava lá. Ele estava sentando no chão, com seus olhos no cristal, completamente imóvel.
Liz: Cerim...
Cerim: O que você está fazendo aqui?
Liz: ...
Eu estremeci um pouco ao seu tom frio. Ainda, eu mordi meu lábio e sentei bem ao lado de Cerim.
Cerim: Como você sabia?
Liz: Diretor Randolph me disse...
Cerim: Oh.
Liz: Onde está Ronny?
Cerim: Dormindo. Eu estive vigiando aqui desde ontem, Ronny deve estar cansado.
Liz: Desde ontem?! Você não pode fazer isso, você tem que descansar!
Cerim: Eu não tenho nenhum tempo para descansar. Se alguma coisa acontecesse...
Liz: Mas você não pode fazer nada se ficar doente!
Cerim: ...
Liz: Um...
Eu vasculhei minha mochila e tirei os biscoitos que eu tinha assado nesta manhã.
Liz: Aqui... coma alguns. Açúcar é bom para quando você está cansado.
Cerim: Eu vou passar.
Liz: Vamos, apenas coma-os! Eu os assei!
Eu empurrei a bolsa de biscoitos em Cerim.
Cerim: ...
Seus olhos se arregalando, e Cerim silenciosamente aceitou o biscoito.
Liz: Coma.
Cerim: Certo...
Embora um pouco hesitante, ele desfez o laço e puxou um biscoito. Então, ele deu uma mordida.
Cerim: ... Isso é muito bom!
Liz: Haha, certo?!
Cerim: Liz, você é uma boa cozinheira.
Liz: Bem, eu vivi sozinha por um longo tempo, então cozinhar é meio que minha coisa.
Cerim: Ohh...
Como se uma represa de fome tivesse quebrado nele, Cerim comeu seu segundo e seu terceiro biscoito.
(Eu sabia que ele estava com fome. Que bom que ele gosta deles...)
Ele deixou um pedaço do biscoito para Ronny e comeu o resto.
Cerim: Eles estavam muito bons.
Liz: Eu estou feliz que você gostou deles.
Cerim: Obrigado.
Liz: Eu estava preocupada, sabia...?
Cerim: Desculpe. Mas eu apenas não posso me dar ao luxo de ficar parado. É minha culpa que isso aconteceu...
Liz: Eu entendo como você se sente, mas...
Cerim: Não... ninguém entende como eu me sinto...
Liz: Não tente me rejeitar assim!
Cerim: Liz...
Liz: Isso é terrível... Nós somos Companheiros, mas você está se forçando tanto completamente sozinho, sem me dizer nada...
Cerim: Eu sei, mas... Eu não posso incomodar você. E... eu não quero colocar você em perigo.
Liz: Eu realmente estou feliz que você se sente assim, Cerim... Mas apenas dói demais quando eu vejo você trabalhando tão duro e eu não posso fazer nada... Apenas esperar sozinha, fazendo nada... Eu apenas não posso me dar ao luxo disso. ...Eu sei que minha magia é muito ruim, e provavelmente eu vou apenas atrasar você. ...Mas eu posso pelo menos cozinhar alguns biscoitos gostosos para você. Eu quero que você dependa mais em mim. Eu quero dizer, por que eu sou sua Companheira? Por que eu descobri a verdade sobre você...? Então, por favor... Confie em mim.
Cerim: Você... ... Desculpe. Eu estava ficando um pouco desesperado desde a falha. Eu apenas realmente queria fazer as coisas funcionarem sozinho. Eu achei que poderia aguentar tudo sozinho, como todos os outros cavaleiros fizeram... ...mas eu apenas continuo sendo ajudado por você. Lamentável, não é...?
Liz: De jeito nenhum! Ninguém pode fazer tudo por si mesmo! Alguém lhe ajuda ou lhe apoia enquanto você avança... Então não sinta que tem que fazer tudo...! Mesmo os cavaleiros do passado tiveram que ter alguém para ajudar a realizar seu dever!
Cerim: Você pensa diferente. Eu sempre vivi em solidão. Eu achei que poderia viver sozinho... mas eu fico preocupado, assustado, quando você me ajuda...
Liz: Você fica...?
Cerim: É como se eu estivesse admitindo que não consigo viver sozinho...
Liz: Cerim...
Cerim: Se eu quiser alguém ao meu lado...
Liz: ... Eu ficarei com você.
Cerim: Liz... Eu sou um homem que suporta uma missão de solidão. Eu não quero prender mais ninguém nisso. E ainda... Eu envolvi você.
Liz: Eu não quero que você pense assim.
Cerim: Mas...
Liz: ...Eu acho que isso é destino.
Cerim: Destino...?
Liz: Sim. Eu estive tendo aqueles sonhos desde que eu cheguei aqui, certo? Eu acho que é porque isso era destinado a acontecer. Seria estranho de outra forma. Isso tinha que acontecer. Então, você não me arrastou nisso. Foi destino.
Cerim: ...
Eu levantei e suavemente toquei o cristal.
Liz: Meus sonhos têm sido estranhos nesses últimos dias...
Cerim: Estranhos...?
Liz: Sim, eu não estive vendo as coisas pela visão de terceira pessoa.
Cerim: O que você quer dizer...?
Liz: Eu sou a consciência da princesa. Mas minha vontade não atravessa, e tudo que eu posso sentir é o que a princesa está sentindo... Foi então que eu percebi uma coisa.
Cerim: Uma coisa...?
Liz: Você sentiu a dor da cantora?
Cerim: Dor...?
Liz: Eu tive um sonho mais cedo hoje. Estava frio e quieto. Eu estava sozinha... assustada, preocupada, e triste... Isso é apenas um talvez, mas... Eu acho que eu estava vendo a visão de dentro deste cristal... Ela está sempre triste, mas não pode nem mesmo derramar lágrimas... Eu acho que a cantora está chorando...
Cerim: Ela está chorando...?
Cerim se levantou e tocou o cristal.
Cerim: Eu não posso dizer que eu entendo.
Liz: Eu posso ouvi-la. O som dela chorando...
Cerim: Mas por que ela está chorando?
Liz: Eu não sei... Talvez ela queria sair do cristal...?
Cerim: Isso não pode ser. A cantora se tornou um com o cristal por vontade própria. Se ela sair do cristal, isso significa que ela quebrará o selo nele. Então isso não pode ser.
Liz: Por que você tem tanta certeza?
Cerim: O quê?
Liz: Isso é apenas como eu vejo. Ela esteve no cristal, completamente sozinha, por muito, muito tempo... Está frio, escuro e quieto... Todos que ela conhece, todos que ela ama, todos eles se foram... Se eu tivesse que passar cem anos por isso, eu iria querer sair. Eu acho que é... muito difícil estar selada no cristal.
Cerim: ...
Liz: ... Bem como você, Cerim. Não é...?
Cerim: Isso é... nada além de sua imaginação.
Liz: Mas pode ser...
Cerim: ...Isso significaria que meu dever era sem sentido!
Liz: Mas quando a cantora for libertada... ...você também será libertado, Cerim.
Cerim: O qu...!
Cerim deu um passo para trás.
Cerim: Esse dia... nunca chegará. Nunca.
Liz: Você não sabe disso!
Cerim: Uma vez que o selo do cristal dissolver, alguma coisa terrível aconteceria.
Liz: Você não sabe disso, também! Pode haver um futuro onde isso não acontece.
Cerim: Por que... Por que você consegue pensar tão positivamente?
Liz: Eu não sei... Mas eu estou confiante, confiante de que as coisas não ficarão ruins.
Cerim: ...
Cerim olhou para baixo em silêncio.
Liz: Oh...!
(Eu falei demais... Eu sou tão estúpida...)
Então, Cerim colocou sua mão em sua testa e explodiu em risadas.
Cerim: Pfff... Haha!
Liz: Cerim...?
Cerim então ternamente acariciou meu cabelo. Seu gentil toque fez meu coração correr ainda mais rápido.
Liz: O qu...! C-Cerim...?
Cerim: Você realmente é interessante. Você apenas foi e disse coisas que eu nem mesmo tinha pensado... Mesmo se eu pensar que tudo é impossível, você é estranhamente persuasiva... ...e eu estou começando a pensar que talvez tudo isso funcionará. Obrigado, Liz... Eu estou feliz que você é minha Companheira.
Liz: Cerim...
Liz: Eu estou feliz de ser sua Companheira, também...
Cerim alegremente estreitou seus olhos ao meu elogio. Seu sorriso apenas fez meu coração bater mais e mais.
(Cerim, eu...)
Mas então...
Ronny: Nnnghh...?
Ronny acordou.
Ronny: Mmm? O que está acontecendo? O que você está fazendo aqui?!
Liz: Finalmente acordado, dorminhoco?
Ronny: Cale-se!
Então, Ronny notou o biscoito.
Ronny: O que é isso?
Liz: Um biscoito que eu assei. Dê uma tentativa se quiser.
Ronny: V-Você assou?! Provavelmente tem veneno nele...!
Liz: Não tem.
Ronny: B-Bem... certo! Eu estou com fome, e parece um pouco mais apetitoso que essas pedras!
Ronny afundou o biscoito em sua boca.
Ronny: Whoa... isso é ÓTIMO!
Completamente encantado, Ronny mastigou pelo biscoito.
Liz: Você gosta dele?
Ronny: N-Não! Era super sem-graça... não fique metida! Eu apenas estava com fome! Qualquer coisa fica boa quando você está com fome!
Liz: *Risadinha*
Cerim: Haha...
Cerim e eu trocamos olhares e rimos. A distância entre nós tinha diminuído. Eu senti isso.
“A Caverna da Cantora”: A quieta caverna fora da Floresta do Sul. Se você for lá no fundo, você pode encontrar o cristal no qual a cantora está dormindo. A caverna é realmente fria, escura e solitária. Estar lá, completamente sozinha... Eu me pergunto como ela se sente.
Esse é o fim do capítulo 9. Até a próxima! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário